5 maneiras de arruinar a Cotoletta alla Milanese

  A Cotoletta alla Milanese é um dos pratos da Lombardia mais conhecidos no Mundo, ficando atrás somente do panettone.

Apesar de ser um prato muito simples, a cotoletta sempre foi um grande sucesso entre os paladares do mundo e de todas as idades, além de imitado por cozinhas de todo o Mundo.
Se você decidir preparar esse prato, deve estar ciente de uma tradição de origens concretas e  por regras bem precisas.

Há pelo menos 5 maneiras de arruinar uma Cotoletta alla Milanese; e se  para alguém não se trata de erros  mas  sim de preferências  ”abrasileiradas” de acordo com o gosto, saúde ou dinheiro, basta apenas renunciar  de chamar a sua “criação” de  Cotoletta alla Milanese : )
Simples, né?

*No Brasil é comum usar o nome “milanesa” para definir uma técnica de cozimento. Já na Itália, cotoletta à milanesa é o nome de um prato que indica a cidade de sua proveniência. Ex : Virado à Paulista, ou Moqueca Baiana que indica que a moqueca vem da Bahia.

1- Errar na escolha da carne

Deve-se usar carnes de Vitella para a Cotoletta.

Originalmente feita com o Carré de Vitelo (tenra, clara e macia). Uma alternativa não correta mas “menos cara” daquela original é substituir por carré suíno (conhecido como lombo ou erroneamente por ‘bisteca’), preferencialmente com osso, ou com peito de frango cortado bem fino.

Nesse caso se chamaria costoletta alla Milanese e NÃO  cotoletta alla Milanese.

2 - A impanatura: Usar farinha de trigo como primeira camada

Não existe coisa pior do que uma cotoletta onde a panatura cai em pedaços, onde se come algumas partes apenas com farinha de rosca e ovo ou somente carne. A única maneira de evitar isso é panar com extremo cuidado a cotoletta, primeiro no ovo e depois na farinha de rosca.




Apenas ovos inteiros e farinha de rosca são necessárias para uma impanatura crocante. Ao contrário de misturas de outros grãos e temperos, uma farinha de rosca pura sem temperos e sal, super fina e caseira é o ideal.

3 - O Tempero: colocar sal, alho, limão e outros ingredientes na carne e na farinha de rosca

Não se deve colocar sal e outros temperos na farinha de rosca e nem na carne durante o processo.Esses tipos de tempero, principalmente o sal, irão fazer com que a carne entre em processo de cozimento durante a fritura, descolando a impanatura da proteína.

4 - Espessura da carne: Usar bifes com espessura alta

É muito importante conseguir uma carne finíssima, através do processo de abrir com um batedor, mantendo o osso. Assim o tempo de cozimento será reduzido e será melhor.* Para ser  chamado  tradicionalmente a milanese  deve ser servida com o osso onde no dialeto milanese vem chamada de cutelèta com uma espessura.

5 - A gordura: usar óleo vegetal (como o de Girassol)

Certos óleos são prejudiciais a saúde e não agregam sabor, por isso a manteiga clarificada (livre de caseína) é uma das opções ideais. Ainda mais importante é que a cotoletta deve fritar em pouca gordura, ao contrário de ser submersa no óleo.

Artigo Relacionado

Vim para provar que TODOS podem comer  e cozinhar bem e que lugar de mulher e onde ela quiser 🙂

Livia Cucchi (Zaruty) é uma Food Blogger Brasileira, crítica gastronômica e empreendedora criadora do projeto ETNIA BRASILEIRA, vencedora em 2011 como melhor blog de cultura do Brasil. Cursou Food Design e Food Photography pela escola  “LA CUCINA ITALIANA”.  Atualmente é autora do primeiro canal de gastronomia italiana do Brasil, o Sambacooking, onde, juntamente com o marido o chef italiano Emmanuele Cucchi, é responsável pela capacitação  e acesso ao ensino de mais de 20 mil brasileiros de todos os cantos do mundo.  Sem dúvidas o mundo precisa de mais “Livias Zarutys” bela, talentosa, sensata e sobretudo corajosa –

livia zaruty

Sou o lado food interativo da nossa dupla SambaCooking.

Trabalho em todos os ângulos da gastronomia sendo estudiosa e pesquisadora gastronômica como Youtuber, Videomaker e grande amante da arte de comer BEM!

Artigos Relacionados